domingo, 27 de julho de 2008

Horas divagando…


Li uma vez que somos jovens a medida que conseguimos reiniciar uma tarefa interrompida com o mesmo entusiasmo da primeira vez que a começamos...Pois bem, depois de pensar e escrever um longo post, eu perdi tudo no blogger, com meu entusiasmo e raiva no máximo, vamos tentar de novo...

Eu já perdi muita coisa desde minha infância.

Perdi as marcas da criança que eu era, sejam as físicas ou as emocionais. A maioria dessas não são as necessárias a vida adulta: imaturidade, impulsividade, amadorismo, timidez, falta de vontade. A cada uma que ia embora, outra característica chegava e ocupava seu lugar. O processo é tão discreto que eu nem percebi e somente hoje, quando ouvia uma música* – que ouço até agora – eu realmente vislumbrei um pouco do que foi perdido, pois junto a defeitos ou imperfeições algumas qualidades e utopias tb me deixaram:

Eu era um sonhador. Minha alma passava mais tempo do lado de lá que do lado de cá, o que me levou a quase ser atropelado, a conversar sozinho nas ruas, a ser um guerreiro, um mago, um governante, um mendigo, um mago. Muito disso se foi, substituído pela rotina, pelos formulários, provas, pela responsabilidade. O sonho hoje só me visita nas madrugadas e quase nunca lembro sua face.

Eu era inocente. Para mim não havia mal, não havia bem, eu não via malícia, maldade, maledicência, intenções escondidas. Eu não via maldade nem em mim mesmo, era um Longshot, sempre com puras intenções...Hoje? Bem, só preciso dizer que sou humano e adulto.

Eu era o meu maior ideal. Eu iria aprender, conhecer, viver no mundo, conquistar lugares e pessoas, defender idéias e virtudes, seria melhor a cada dia, transformando como um Midas tudo que tocasse. Atualmente me preocupo em garantir minha moradia e a dignidade em meu trabalho.

Explica: Por que crescer significa escolher?

Bem, abraços a quem me lê.

*Música: Panis et circenses – Marisa Monte

4 comentários:

dedé disse...

a primeira coisa que eu ia perguntar é: "Qual é a música?" hehe. Enfim, espero um dia poder olhar pra trás e ter uma visão do meu crescimento parecida com a sua.

Abraco!

Ana Luísa e Sarah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Luísa e Sarah disse...

eu ainda não sou uma adulta, mas já sinto bem o que vc escreve aqui.passo a ver o mundo com outros olhos, não é mais aquele mundo q eu achava ser bom, e eu não sou mais aquilo q eu pensava em ser.
vejo bem que crescer é escolher, nossa! quantas escolhas eu tenho q fazer.
a vida é isso, né?!
bjos

Ana Luísa e Sarah disse...

quem escreveu aqui foi a sarah.
hehe