terça-feira, 27 de julho de 2010

Um aquário.

“Canto uma canção bonita, falando da vida em ré maior…”

Na sala de minha casa há um aquário.peixes

Passo horas observando meus peixes e seu movimen to aleatório. Em seu pequeno mundo vivem suas curtas vidas sem grandes preocupações. O mais tenso e emocionante momento ocorre quando dois machos resolvem disputar o território e controle da grande fêmea que domina o aquário.

Ainda há dois caramujos (Gary e Roberta) e uma lagosta (Sauron). Tímidos e de ritmo mais lento, pouco se manifestam ou se movimentam pelo ambiente. Vivem em seus refúgios e só exigem comida às vezes para viver.

Um aquário é uma atividade apaixonante. Por mais que a maioria encare-os como simples peixes, pra mim são seres muito vivos, compartilham meu apartamento comigo. Nove deles nasceram nos últimos dois meses, um dos caramujos, Gary, já tentou até suicídio – ok, ele só caiu do aquário, mas tenho que fazer um drama.

O prazer maior é talvez o de acompanhar o crescimento a evolução do aquário, das plantas que crescem e precisam ser podadas, dos peixes arredios ou violentos que precisam ser separados, dos alevinos que precisam de proteção, da responsabilidade de alimentá-los nas horas corretas e das formas corretas.

Um aquário, só isso.

*Musica do momento: Léo e Bia – Oswaldo Montenegro.

4 comentários:

Augusto Barros disse...

Gostei do espaço e do escrito.

Grói Rail disse...

Fazendo um drama... Tenho medo da influência que eu possa ter exercido sobre ti ^^.
Brincadeiras a parte, é muito interessante observarmos formas de vidas tão diferentes das nossas, abre nossas cabeças para novas possibilidades.

Débora Mazetti disse...

Oi! Não tenho aquário, mas acho muito interessante observar esses animais, eles transmitem uma calma, uma tranquilidade, além de serem muito bonitos.. Pobre Gary, caiu do aquário! hehe Beijos

mari =) disse...

olá Jods, quanto tempo!
adoro o jeito que vc escreve é tao natural hahaha =)
eu fiz um post novo, quando der da uma passadinha lá?
beijos